UM SADHU COMO NENHUM OUTRO - SUA DIVINA GRAÇA A.C.BHAKTIVEDANTA SWAMI PRABHUPADA

Um Sadhu como Nenhum Outro

Sua Divina Graça A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada 
(excertos da palestra de 13 de dezembro de 1973,realizada na cidade de Los Angeles)
É uma longa história como me encontrei com Bhaktisiddhanta Sarasvati Thakura. Um de meus amigos me arrastou. Eu era, naquele tempo, nacionalista e administrador de uma grande fábrica química. Minha idade era de aproximadamente vinte e quatro anos. Então, um de meus amigos, me solicitou: “Há um ótimo sadhu, Bhaktisiddhanta Sarasvati Thakura. Ele veio a Calcutá. Então, vamos vê-lo”. Sim, eu estava relutante. Eu pensava que ele seria tal qual muitíssimos sadhus. Assim, eu não estava muito interessado. Porque eu tinha péssimas experiências – não muito boas –, então, eu disse: “Oh, existem muitos desse tipo de sadhu”. Vocês ficarão felizes em saber que, mesmo em minha pouca idade, ou idade inicial – era a graça de Krsna – mesmo entre meus amigos jovens, eu era considerado o líder. No meu tempo de escola, no meu tempo de faculdade, na minha amizade particular; de um modo ou outro, tornei-me líder. E um astrólogo, algumas vezes, ele lia a minha mão. Ele dizia em híndi, kukum calenaKukum calena significa: “Sua mão diz que a sua ordem será cumprida”.
Então, de qualquer modo, foi a graça de Krsna. Eu não iria, mas o ponto de vista deles era que, a menos que eu certificasse aquele sadhu, Bhaktisiddhanta Sarasvati Thakura, ele não seria aceito. Portanto, ele me arrastou. Então, fui ver Bhaktisiddhanta Sarasvati Thakura naquele dia. No primeiro encontro, simplesmente oferecemos nossas reverências. É a prática. Então, imediatamente, ele começou seu discurso: “Vocês são todos jovens instruídos. Por que vocês não adotam o culto de Sri Caitanya Mahaprabhu e pregam para todo público conhecedor de inglês? Por que vocês não se encarregam desta questão?”. Então, discuti com ele de várias maneiras. Naquele tempo, eu era nacionalista; então, eu disse: “Quem aceitará a nossa mensagem? Somos uma nação dependente. Ninguém se importará”. Mas pertencíamos à família vaisnava, pois Sri Caitanya Mahaprabhu, Nityananda, Radha Govinda são nossas Deidades adoráveis. Então, fiquei muito contente: “O culto de Radha Krsna, o culto de Caitanya Mahaprabhu, este sadhu está tentando pregar. Isto é ótimo”.
Então, naquela ocasião, tivemos algumas conversas, e, é claro, fui derrotado por seus argumentos. E, então, quando saímos, ofereceram-nos prasada: ótimo tratamento, a Gaudiya Matha. E, quando saí na rua, esse meu amigo perguntou-me: “Qual é a sua opinião sobre esse sadhu?”. Eu, então, disse: “Aqui está a pessoa correta que se encarregou da mensagem de Sri Caitanya Mahaprabhu, e, agora, ela será distribuída”.
Assim, eu era, naquele tempo, um tolo, mas eu opinei assim. E eu o aceitei como meu mestre espiritual imediatamente. Não de maneira oficial, mas em meu coração. Isso foi em 1922. Então, em 1923, deixei Calcutá em minha rota de negócios. E fiz minha sede em Allahabad. Allahabad situa-se a cerca de cem milhas de Calcutá. Então, eu estava pensando: “Encontrei uma excelente personalidade santa”. Esse era sempre o meu pensamento. Então, desta forma, em 1928, houve um Kumbhamela. Dessa vez, esses membros da Gaudiya Matha foram a Allahabad para estabelecer um centro lá, e alguém mais disse, alguém os informou: “Vão à Farmácia Prayaga”. Minha drogaria se chamava “Farmácia Prayaga”. Meu nome também estava lá. “Vão e vejam Abhaya Babu. Ele é religioso. Ele ajudará vocês”. Essas pessoas da Gaudiya Matha foram me ver. Então: “Cavalheiro, viemos até o senhor. Ouvimos falar de seu bom nome. Então, queremos começar um templo aqui. Por favor, tente nos ajudar”. Eu estava pensando naquelas pessoas da Gaudiya Matha: “Encontrei excelentes personalidades santas”, e, tão logo eu os vi, fiquei muitíssimo contente: “Oh, aqui estão aquelas personalidades. Eles vieram novamente”.
Então, desta maneira, gradualmente, apeguei-me a essas atividades da Gaudiya Matha, e, pela graça de Krsna, meu negócio também não estava indo muito bem. Sim. Krsna diz yasyaham anughrnami harisye tad-dhanam sanaih. Se alguém quer realmente ser devoto de Krsna e, ao mesmo tempo, mantém seu apego material; então, o negócio de Krsna é que Ele leva embora tudo o que é material, de modo que a pessoa se torne cem por cento dependente de Krsna. Então, isso de fato aconteceu na minha vida. Fui obrigado a vir para este movimento para adotar muito seriamente. E eu sonhava que Bhaktisiddhanta Sarasvati Thakura estava me chamando: “Por favor, saia comigo!”. Então, algumas vezes, eu ficava horrorizado: “Oh, o que é isso? Tenho que deixar a minha vida familiar? Bhaktisiddhanta Sarasvati Thakura está me chamando? Tenho que aceitar sannyasa?”. Oh, eu ficava horrorizado. Mas o vi várias vezes chamando-me. Então, de qualquer forma; por sua graça, fui forçado a abandonar minha vida familiar, minha assim chamada vida de negócios. E ele me levou, de um modo ou outro, a pregar seu evangelho.
Nota: Prabhupada já nasceu Hare Krsna, filho de devotos. Este relato é como conheceu seu mestre espiritual e formalizou seu compromisso com a sucessão discipular Hare Krsna.
Fonte:https://voltaaosupremo.com/artigos/depoimentos/um-sadhu-como-nenhum-outro/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CAUSA DA TRISTEZA - J.KRISHNAMURTI

Sri PREM BABA - NOSSO AMADO GURU BRASILEIRO !

COMO FAÇO PARA RECEBER INICIAÇÃO ?